Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz & Célimène Daudet

  • 20:00
  • THEATRO DA PAZ - Rua da Paz, s/n - Centro, Belém - PA, 66017-210




Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz

Regente Titular: Miguel Campos Neto

Solista: Célimène Daudet, piano

OSTP-Alexandre-Nogueira20

Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz, divulgação

Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz

A Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz foi criada em 1996, numa iniciativa da Secretaria Executiva de Cultura (SECULT) com a parceria da Fundação Carlos Gomes. Os maestros Andi Pereira (RS), Barry Ford (EUA), Mateus Araujo (SP) e Enaldo Oliveira (PA) foram seus titulares. Atualmente, a OSTP tem no maestro paraense Miguel Campos Neto seu regente titular. Estiveram à frente da OSTP, como convidados, renomados maestros como Patrick Shelley, Roberto Duarte, João Carlos Martins, Luis Fernando Malheiro, Silvio Viegas, Abel Rocha, Flávio Florence e Carlos Moreno, dentre muitos outros. Como solistas atuaram com a orquestra Arnaldo Cohen, Arthur Moreira Lima, Miguel Proença, Emmanuele Baldini, Antonio Del Claro, Adriane Queiroz e Atalla Ayan. Em 1999, gravou o CD “Arthur Moreira Lima interpreta Waldemar Henrique”, destacando três compositores locais: Serguei Firsanov, Tynnôko Costa e Luiz Pardal.

Integrada à vida cultural de Belém, a OSTP realiza concertos mensais no Theatro da Paz, participa do Festival Internacional de Música da Fundação Carlos Gomes e do Festival de Ópera do Theatro da Paz, tendo executado dentre outros títulos Macbeth, Rigoletto e La Traviata de Verdi, A Viúva Alegre de Lehár, Pagliacci de Leoncavallo, A Flauta Mágica de Mozart, Carmen de Bizet, Romeu e Julieta de Gounod, O Barbeiro de Sevilha de Rossini, Madamma Butterfly, Gianni Schicchi, La Bohème e Tosca de Puccini e Il Guarany de Carlos Gomes. Os oratórios Magnificat de J. S. Bach e Stabat Mater de Rossini, a 5ª Sinfonia de Shostakovich, além de A Floresta do Amazonas e o Choros nº 10 de Villa Lobos estão entre as grandes performances da OSTP, que teve na realização do ciclo integral das nove sinfonias de Ludwig van Beethoven, em 2006, um dos pontos altos em sua trajetória. Em 2005, iniciou o processo de descentralização de suas atividades, por meio do projeto “Pará Sinfônico – A Orquestra nos Municípios”, tendo se apresentado em Castanhal, Santarém, Vigia, Tucuruí e Capanema, dentre outras cidades.

Em 2008, gravou o seu primeiro DVD, registro de uma das melhores fases de seu amadurecimento artístico. Atualmente celebra 20 anos de importante colaboração artística no cenário orquestral brasileiro.

 

Maestro Miguel Campos Neto

Miguel Campos Neto, divulgação

Regente Titular: Miguel Campos Neto

A OSTP tem como regente titular o maestro Miguel Campos Neto. Após sua estreia na Ópera Salomé em novembro de 2012, a crítica especializada considerou Campos Neto um maestro que “dá ritmo teatral e fluência ao espetáculo e sabe recriar a linguagem musical específica dos personagens principais” (João Luiz Sampaio, O Estado de S. Paulo). Atualmente regente titular da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz, da Orquestra Jovem Vale Música e da Orquestra Sinfônica Altino Pimenta (UFPA), Campos Neto, além de ser um dos fundadores da Chelsea Symphony de Nova York também atuou cinco anos como diretor artístico e regente titular da sinfônica nova-iorquina.

Como convidado regeu inúmeras orquestras: Orquestra Sinfônica de Porto Rico, The Mannes Orchestra, Franz Liszt Orchestra Academy e recentemente a Orquestra do Festival de Mulhouse na França. Miguel Campos Neto, mestre do violino (bacharelado e mestrado) e da regência orquestral (mestrado), formou-se na Mannes College of Music de Nova York. Detentor de grande experiência, já dividiu os palcos com grandes solistas como Nelson Freire, Antonio Meneses, Robert Bonfiglio, e Emmanuelle Baldini , e dirigiu óperas como “La Traviata” e “Navio Fantasma”.

 

celimene-dudet---01

Célimène Daudet, foto de Hadrien Daudet

Solista: Célimène Daudet, piano

A pianista Célimène Daudet nasceu em Aix-en-Provence na França. Iniciou seus estudos no conservatório de sua cidade natal dando continuidade nos Conservatórios de Lyon e Paris. Descrita pela imprensa por seu “lirismo sedutor, delicado e ardente”, Célimène Daudet recebeu cedo reconhecimento e apoio de várias fundações culturais como o Banff Center for the Arts no Canadá, a Fundação Safran, o Suez Environment Group e o BNP Paribas. Venceu o Concurso Internacional Jean Francaix, depois o Concurso Internacional da FNAPEC e o Prêmio Internacional Pro Musicis.  Em 2013, gravou o álbum “Dans la Malle du Poilu” pelo selo Arion em duo com a violinista Amanda Flavier, recebendo o Prêmio de Melhor Album do Ano concedido pelo jornal francês “Le Monde”.  Em 2016, gravou pelo selo NoMadMusic o primeiro volume de uma integral das dez sonatas de Beethoven para piano e violino, também com a violinista Amanda Flavier. Célimène Daudet apresenta-se regularmente nos principais centros da música mundial tais como Nova York, Washington, Moscou, Cingapura, Beijing, Colômbia e Israel e é presença constante nos principais festivais de seu país. A participação no Festival Música Na Estrada marca sua primeira aparição no Brasil.

pierrethilloy-01

Pierre Thilloy, divulgação

Pierre Thilloy, compositor

Nascido em 1970, o compositor e cidadão do mundo Pierre Thilloy iniciou seus estudos de composição e orquestração a partir do final de 1990 em Nancy e mais tarde em Luxemburgo e Salzburgo. Foi finalista em inúmeras competições internacionais, vencedor nacional do Concurso Geral de Música em 1990, e obteve, em 1997, o 2º Prêmio Internacional “Olivier Messiaen” da Guardini Foundation de Berlim. Em 2008, recebeu o Prêmio Fundação da Caça e Natureza por sua fanfarra LA POLONAISE. Em abril de 2001, tornou-se o único laureado europeu da prestigiosa Fundação Rockefeller em Nova York com sua 5ª Sinfonia L’ARCHE D’ALLIANCE e seu 5º quarteto de cordas LAPSIT EXILLIS. Em 2002, Thilloy recebeu o Prêmio das Artes da Academia Nacional de Ciências e Letras de Metz pelo conjunto de sua obra. Já em 2005 recebeu a Medalha de Prata da Sociedade Acadêmica das Artes, Ciências e Letras de Paris e em 2009 o Grande Prêmio de Artes da Academia Ausone por seu oratorio MOSELLA. Hoje, suas mais de 200 obras são realizadas em todo o mundo. Atualmente trabalha em sua 11ª sinfonia: WAR (GUERRA). Pierre Thilloy estará presente na estréia do Festival Musica Na Estrada 2017 em Belém por ocasião da execução de uma de suas obras: Saudades de Belém.

 

Programa

Saudades de Belém – Pierre Thilloy (1970)

Movimentos: “O sonho do índio” e “Cidade das Mangueiras”

Concerto em Ré menor para Piano e Orquestra, BWV 1052 – Johann Sebastian Bach (1685-1750)

***

La Valse – Maurice Ravel (1875-1937)

Romeu e Julieta – Piotr Ilyich Tchaikovsky (1840-1893)

Bolero – Maurice Ravel (1875-1937)


 

Apresentações